Enfim, 30
Livros

Enfim, 30 para ler antes ou depois dos 30

Em Enfim,30 falamos dos 30 anos, a idade da “maturidade”, certo? Não sei, pois ainda estou nos 29 e não sei bem o que pensar dele. É engraçado como certos números ganham emblemas e pesos assustadores em nossa sociedade.

13 dá azar, se quebrar um espelho mais 7 anos de azar, 15 anos é a idade da glória, 18 precisa saber o que fazer da vida, 22 se formar, 30 estar bem sucedida e aos 35 a crise da meia idade.

Sobre Enfim, 30

Ao ler “Enfim, 30” me deparei com uma série de situações que eu ja vivi em algum momento de minha vida e outros que provavelmente eu viverei.

Só que a diferença é que no inicio eu comecei rindo das situações, mas agora ao analisar friamente é um tanto cruel as cobranças que fazemos conosco.

De um jeito bem humorado, já que foi escrito pelas queridas Camila Frender e Jana Rosa, o livro vai dando um tapinha na cara do leitor a cada página.

Porque após se recuperar do riso, vem aquela sensação de impotência por ter vivido aquela experiência, mas que na ocasião não teve graça alguma.

Enfim, 30

Jana Rosa e Camila Frender

Aproveitando que fizemos trinta anos, a “idade da maturidade”, sugerimos que todos deixem para trás as maturidades a seguir (na verdade, seria bom deixar essas imaturidade para trás em qualquer idade).

Jana Rosa e Camila Frender

Juramos que a vida pode ser legal em momentos sóbrios e é normal também a vida não ser legal o tempo todo, em momentos sóbrios ou alterados.

Antes de fazer 30 anos

Não que o livro seja um manual te auto ajuda para superarmos da melhor forma os nossos 30 anos. Mas é uma leitura que me convenceu a esperar um pouco menos de mim ao chegar nessa idade.

Esperar no sentido que já expliquei ao abrir este texto: me cobrar menos, não deixar que influências externas interfiram em minhas escolhas.

Ter sob controle a minha vida e por consequência as minhas decisões e o principal. Não tomar nenhuma atitude pensando no que é melhor para os outros ou para ser bem aceita.

Depois do sucesso de “Como ser normal tendo uma vida louca”, “Enfin, 30” me pareceu uma continuação um pouco mais sóbria de seu antecessor.

Se antes demos gargalhadas com as trapalhadas de uma geração insana por atenção que já cresceu exposta na web.

Este livro agora meio que nos ajuda a refletir sobre alguns aspectos de uma vida que aparentemente deve ser mais difícil do que quando tínhamos 20 e poucos anos. Esta foi a sensação que tive ao ler as duas obras.

Para quem recomendo esse livro

Vale muito a pena ler este livro, que tem um texto fluido e leve, dá pra ler numa sentada (como andam dizendo por aí).

Refletir sobre os pontos levantados sobre as autoras, ser mais crítica e claro. Não leva-lo tão a sério assim, pois como o próprio deboche de Camila e Jana deixam bem claro aqui. Para sobreviver a crise dos 30 é preciso não levar as coisas tão a sério assim!

Mas cada vez mais as pessoas têm tido coragem para ser feliz e recomeçar totalmente a vida profissional. Essa crise tem a ver com as armadilhas das escolhas ao dezessete anos. Com trinta, as pessoas têm o primeiro vislumbre de que não serão jovens para sempre…

Carla Corrêa

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 33 anos e apaixonada por cravo, canela, café e chocolate. A mistura perfeita para uma vida perfeita e feliz. Nascida na era da internet, blogo desde 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *