Consciência coletiva
Autoconhecimento

Consciência coletiva sobre cada verdade individual

O título pode parecer um pouco confuso, mas hoje queria trazer um conteúdo mais reflexivo aqui para o blog, sobre as nossas verdades. É importante às vezes refletirmos sobre alguns hábitos para que a gente não replique certos costumes de forma errada em nossas vidas. Para entender melhor o que estou falando, leia o texto até o final!

Quando decidi parar de ler e assistir qualquer tipo de noticiário em rádios e tevês desde 2014, foi uma atitude de auto preservação que eu queria ter para os anos seguintes.

Digo isso, porque, na época, as fake news não tinham tomado as mesmas proporções que estão hoje, mas já estavam bem ruim. Me afastar das redes sociais não era uma opção, no momento, já que trabalho gerando conteúdo para web, seria uma grande incoerência de minha parte.

E eu já falei sobre essa atitude extrema em relação a querer apagar tudo pra viver livre no mundo real. Mas a verdade é que, a medida em que ouvia pessoas falando: mas isso é viver numa bolha, não adianta se privar se notícias ou do que acontece no mundo externo porque isso é alienação. Etc e tal, eu ouvia sempre coisas desse tipo.

Mas sabe o que eu penso? A minha verdade não está errada e nem precisa estar sobreposta à sua verdade. É sobre isso que quero dizer. Se você acredita em algo que vale a pena ser feito e terá um resultado positivo em sua vida, vá e faça.

A verdade de cada um é individual, por mais que pessoas digam que não, que existe uma consciência coletiva que nos guia em um caminho comum, no final das contas, o que conta mesmo é a nossa verdade.

Kombi na estrada
Kombi laranja e branca andando numa estrada

A nossa verdade x senso comum

Existe uma confusão comum que fazermos quando falamos de verdade individual (nossas escolhas) com o senso comum. O senso comum é uma ideia que um determinado grupo aceita como uma verdade. Mas mesmo dentro do senso comum, existem indivíduos que têm as suas necessidades e formas de pensar.

O que eu vejo acontecer, principalmente nesse momento de polarização, é de que cada pessoa sente que precisa impor a sua verdade em cima de outras pessoas. Que pensar diferente ou discordar de outra é motivo para impor a sua verdade. E não é bem assim.

Se somos livres para pensar, agir e escolher, por que não podemos discordar então? Se ambos os lados defendem que devemos tomar nossas decisões baseado em escolhas a partir do que cada um entende como certo.

Você não precisa concordar com nada do que eu escrevi aqui, por exemplo, mas pode ler, tentar entender meu ponto de vista e argumentar por que você discorda.

Precisamos quebrar essa corrente de que as pessoas precisam acreditar e aceitar a nossa verdade, pois como eu disse, a minha verdade não deve sobrepor à sua. Cada um escolhe no que vai acreditar e seguir. Saiba usar o seu argumento para criar conteúdo e informar as pessoas e não para obrigá-las a concordar com você e assim encerrar a conversa.

Imagens de ilustração: Foto de Alfonso Escalante e de Shukhrat Umarov no Pexels.

Carla Corrêa

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 33 anos e apaixonada por cravo, canela, café e chocolate. A mistura perfeita para uma vida perfeita e feliz. Nascida na era da internet, blogo desde 2008.

2 comentários

  1. Cláudia diz:

    Então, sempre digo que essas redes sociais tem muito juízes. Tudo que dizemos, vira julgamento em cabeças que às vezes não entendem e nem sabem o que estão falando. Fica aqui meu protesto e concordo com vc.
    Menos julgamento e mais informação correta, por favor.

    1. E o que mais tem na internet, são especialistas de tudo, policia pra vigiar o que você faz e juizes pra julgar seu comportamento. As pessoas esquecem de se colocar no lugar dos outros e apontam o dedo sem conhecimento de causa. Estamos vivendo num mundo de intolerância e punição digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.